Le Petit Riche

Quando penso em riqueza material, antes da imagem do dinheiro, me vem à cabeça aquilo que ele pode comprar. Mas de todos os objetos e experiências que são típicos da riqueza, talvez os mais prevalentes em minha imaginação sejam aqueles que colocam o indivíduo em um outro patamar. Não falo do físico, nem do supostamente moral; falo de uma posição onde as portas da possibilidade intelectual estão escancaradas e levam, pelo menos em tese, a uma vida mais esclarecida, no sentido arcaico deste termo. Em outras palavras, quem estuda melhor e tem melhores experiências tem mais chances de uma vida mais fácil, com um emprego melhor, em uma casa melhor. Nenhuma novidade aqui.

Ao levar a mente pelas imagens que coleciono na memória, penso em meninos ricos que estudaram na melhor escola privada, que foram a um internato e aprenderam Latim e Grego. Alunos de Harvard que pagam quase 89.000 dólares por períodos de nove meses de estudo, durante quatro anos. Jovens que viajam à gosto e expandem seu conhecimento, que têm a possibilidade de ter períodos sabáticos em Londres ou algum lugar equivalente antes de entrar na faculdade ou ao sair dela.

Quem é rico e com tantas chances de aprender, viajar, ver o mundo, deve também necessariamente ter gosto mais chiques, requintados. Deve ter conhecimentos e interesses mais (na falta de uma palavra melhor) refinados.

Pelo menos em tese, é claro.

(Em um comentário à parte, já notaram como requintado e refinado são palavras tão… ridículas? Talvez seja só eu.)

Falo tudo isto por que uma das coisas que mais me incomoda na vida é a possibilidade não usada (ou a oportunidade perdida). Sempre tive propensão a fortes arrependimentos se percebo que não agi quando deveria, como deveria. Com o tempo aprendi a tentar agir na hora certa e ainda é um aprendizado diário. Portanto, é natural que eu tenha raiva de algumas pessoas ricas. Não de todas e nem pelo dinheiro, vejam, não sou invejoso. Tenho raiva de uma certa variedade de pessoas ditas ricas, que parecem ser especialmente comuns na cidade em que resido e no Brasil em geral, presumo. Por falta de imaginação, vou chamar este ser de o pequeno rico, referindo-me como veremos ao tamanho de suas aspirações.

A principal característica do pequeno rico é que ele possui da riqueza apenas o dinheiro. Veio ao mundo com os meios, mas sem a imaginação, sem o anseio de evoluir, sem sonho, sem interesse. Por exemplo, o pequeno rico tem os eletrônicos e bens que se espera que tenha, mas não compreende por que os tem; apenas sabe que deve, por sua posição social, tê-los. Os compra como quem retrai a mão ao tocar sem querer no fogo, por instinto, e não sabe extrair das maravilhosas máquinas todo o seu potencial. Seu carro off-road, descomunal e prodigioso em suas talvez três toneladas, nunca anda fora do asfalto. Seu smartphone, mais caro que a maioria dos computadores populares, passa os dias processando a interface do Facebook. De que adianta ter uma varinha mágica e usá-la para coçar a orelha, como um orangotango? É uma pergunta fora do escopo do pequeno rico.

Nosso pequeno rico poderia viajar para a Austrália, para a Alemanha, Japão. Poderia passar as férias onde quisesse. Infelizmente, o bizarro personagem só vai onde os outros vão. Dois ou três destinos batidos, sem graça, onde vai encontrar mais do mesmo e pessoas falando sua própria língua. Aprender outra seria difícil, já que o pequeno rico costuma ser avesso àquilo que o tira de sua zona de conforto local. O pequeno rico até sai de sua cidade natal, de seu círculo, mas estes nunca saem dele. Ele não observa ou aprende com a cultura que é diferente, apenas a ignora ou a julga, abraçando a âncora de seus próprios valores e costumes que se recusa a mudar ou ao menos refletir sobre, afundando com eles. Ele pode defender todo tipo de ideal ultrapassado, todo tipo de preconceito. É preguiçoso. Não muda.

Bom, nada disso surpreende. Esse curioso espécime das pequenas e grandes cidades do Brasil está acostumado a observar de sua janela a pobreza abjeta do outro lado do muro de seu condomínio, do outro lado da rua. Em um país como o nosso, onde a indigência está em toda parte, o pequeno rico não consegue se isolar (e de qualquer maneira não teria disposição para isso); se a realidade horrenda debaixo de seu nariz não o faz pensar nos outros, expandir seus interesses, nada fará.

Há, talvez uma constatação pior: No fundo, o pequeno rico gosta de olhar para a pobreza e saber que está separado dela.

O pequeno rico é como uma estória infantil triste, onde não se aprende nada e sem final feliz. É uma contínua sucessão de palavras e acontecimentos meio felizes, meio comuns, meio falsos, meio sem alma, meio preconceituosos. Este ser, seja por herança, família, contatos ou até (!) trabalho honesto, é dono das possibilidades que muitos gostariam de ter. E não as usa.

A tragédia do pequeno rico é que não faz idéia de que sua vida é essencialmente pobre.

Anúncios

Um comentário sobre “Le Petit Riche

  1. Escreveu boa parte do que penso. Moro em uma cidade pequena onde vejo isso muito de perto, pessoas com muito e que não sabem usar o que tem, que simplismente acompanham o fluxo. Estão mais preocupadas em mostrar que tem muito dinheiro pra gastar, com a mente limitada a fazer o que os outros ja estão fazendo. Pobres pessoas que não conseguem enchergar a infinidade de possibilidades que o mundo nos dá e que o dinheiro possibilita. Parabens pelo texto, continuarei acompanhando!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s